quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

Ouriço-Cacheiro

Ouriço-Cacheiro    

Erinaceus europaeus


Estes lindos Seres (tal como todos os outros) desempenham um papel fundamental no equilíbrio do ecossistema onde se inserem.
Para que o fiquem a conhecer melhor aqui fica uma breve descrição deste nosso amigo.



O  ouriço-cacheiro é o maior insectívoro da nossa fauna, com um comprimento entre 18 e 20 cm e cerca de 1 kg de peso máximo, sendo o valor mais habitual os 700 g.



A sua identificação não levanta qualquer tipo de problemas, pois trata-se do único mamífero da nossa fauna que apresenta o corpo coberto por espinhos (cerca de 6 mil), que não são mais que pêlos modificados.
Estes pêlos bastante aguçados têm entre 2 e 3 cm e cobrem o animal no dorso e flancos. 
O ventre, castanho-acinzentado, está coberto de pêlos. 
Quando se sente ameaçado, enrola-se sobre si próprio, escondendo as suas pequenas patas e as áreas desprovidas de espinhos, transformando-se numa “bola com picos”, bastante difícil de penetrar. 
A cabeça e a superfície ventral são densamente cobertas de pêlos. 

Tem um sentido de visão pouco desenvolvido, ao contrário da audição e do olfacto. 
Quanto sente perigo enrosca-se, expondo os espinhos como armas de defesa.
Erizo moruno (Atelerix algirus)

É um animal solitário e territorial, de hábitos essencialmente nocturnos, podendo ser observado nas últimas horas do dia e ao amanhecerDurante a noite podem percorrer distâncias entre um e três quilómetros, sendo que os machos deslocam-se mais que as fêmeas.
Vivem numa variedade grande de habitats como campos de ervas, savanas, rochas e jardins suburbanos.


Alimenta-se sobretudo de invertebrados que encontra no solo - minhocas, escaravelhos, lagartas, aranhas, caracóis e lesmas - embora também por vezes consuma ovos e pequenos vertebrados - sapos, lagartos, crias de roedores e de aves, e ainda e frutos silvestres, 
Também come peixe, até porque é um excelente nadador. 
Consome cerca de 70 g de alimentos por noiteA época da reprodução verifica-se de Abril a Agosto, tendo a gestação uma duração de 12 a 13 semanas. Cada ninhada é composta por 4 a 6 crias.

Tem uma longevidade máxima de 7 a 10 anos, vivendo em média 3. 

Apesar de não ser necessário, podem hibernar durante 6 semanas nos períodos mais frios. 

Quando o alimento escasseia, e a descida da temperatura torna incomportável a manutenção da temperatura do corpo, o ouriço hiberna. 
No nosso país só o fazem os animais que vivem em zonas de maior altitude, de clima marcadamente continental. 
Antes de hibernar, terão que engordar para ter energia suficiente para o período de hibernação, durante o qual ocorrem uma série de alterações: ficam frios ao toque, tendo a sua temperatura diminuído de 35ºC para 9ºC; ficam imóveis; a respiração pára durante longos períodos de tempo (respiram 1 a 10 vezes por minuto); o ritmo cardíaco passa de 190 para 20 batimentos por minuto; o funcionamento dos órgãos internos é reduzido de modo a poupar energia. 

Estando mais vulnerável a predadores enquanto hiberna, o ouriço escolhe cuidadosamente o local para o fazer, construindo um ninho em buracos, em troncos de árvores, no solo ou em rochas. 
Os abrigos fornecidos pelas construções humanas são também do agrado da espécie.

As principais causas de mortalidade são a fome durante a hibernação, a predação por parte de raposas, texugos ou mesmo cães e  os atropelamentos na estrada